Páginas

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Eu, Leitora e Empresária Circense

Dias atrás entrei num elevador, aquele dispositivo de transporte utilizado para mover bens ou pessoas verticalmente e escutei uma palhaçada que ninguém merece!

Normalmente, no elevador as pessoas ficam olhando para o outro com cara de paisagem, olham para o teto, uns têm crise de riso e tem sempre um palhaço simpático que adora puxar papo. O problema é o papo, né?

Nesse dia, coincidentemente, as pessoas que ali se encontravam eram do sexo feminino, com exceção de um pobre palhacinho que não se conteve.

- Nossa, pelo visto nesta cidade todas as mulheres trabalham fora. É o segundo elevador comercial que entro e só tem mulher.

Silêncio. Ninguém se pronunciou.

Sem graça, como ninguém lhe deu bola, continuou a palhaçada tentando fechar o espetáculo com chave de ouro e ao final arrancar boas gargalhadas da plateia. Completou:

- Quem será que está no fogão?

Eu, que de uns tempos para cá, tenho aprendido a não ficar calada, mas também não sei ainda ser grossa o suficiente, apenas olhei para o pobre palhaço - que deve ter sido traído pela sua namorada com o mágico -, e já com a porta do elevador abrindo para o meu andar, disse:

- Não posso lhe responder o que pensei!

Coitadinho do palhaço! Já deve ter perdido seu emprego, porque com essa piadinha de quinta categoria dificilmente ele faz sucesso em algum circo por aí.


Leitora P.M.

2 comentários:

Tata disse...

Esse merecia uma resposta do tipo:Olha meu bem, no fogão eu não sei quem está, mas eu sei quem tem a colher de pau pronta pra enfiar no seu rabo!

lariluz disse...

huahuahauhauahuahaua...
eu ri mesmo do comentário da Tata! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk